As 45 coisas

Como talvez você já saiba, eu passei 4 meses e meio em Londres. E no dia 15 de setembro, um dia depois do meu aniversário, informação desnecessária, lá estava eu sobrevoando Londres pela última vez em 2014 e voltando pro Brasil.

O que eu senti? Bom, um misto de angústia (porque 12 horas dentro de um avião dá muito tempo pra algo ruim acontecer e MEU DEUS QUANTO AVIÃO CAIU ESSE ANO!), tristeza porque eu realmente amei Londres e a Inglaterra até mais do que imaginava, uma pré-saudade da família que eu estava deixando lá e alívio por voltar pra casa, pra minha família e amigos, meu quarto, minhas coisas. Enfim, não foi legal. Mas aqui estou, já entediada e com saudade do agito e da beleza da terra da Rainha, mas feliz por estar bem e com mais um sonho realizado pra “ticar” da lista e mais alguns acrescentados.

Esse post é pra listar algumas coisas legais e que me marcaram nos últimos 4 meses e meio. Vamos lá!

As 45 coisas que eu fiz em Londres:

1. Conheci pessoas de lugares que eu mal lembrava que existia: Turquia, Bulgária, Romênia…)

2. Ouvi 5 idiomas diferentes simultaneamente dentro do ônibus.

3. Trabalhei num pub.

4. Quase completei minha coleção de livros da Jane Austen (Mainsfield Park na wishlist já!)

5. Descobri que tenho uma compulsão por comprar livros (comprei 20 durante a viagem toda, me segurei muito!)

6. Me emocionei com a vista de cima da London Eye.

7. Tomei chuva. Muita chuva.

8. Comi o tradicional English Breakfast e viciei em feijão doce!

9. Vi a troca da guarda no Palácio de Buckingham.

10. Fui na comemoração do aniversário da Rainha e vi a família Real.

11. Fiz pic nic no Green Park e corri no Greenwich Park.

12. Assisti Lucy Rose e Neil Young no Hyde Park ❤

13. Assisti um show do John Mayer pela segunda vez ❤

14. Vi várias vezes o Sol se pôr nos lugares mais lindos imagináveis.

15. Andei de bicicleta no centro de Londres (NÃO FAÇA ISSO.)

16. Andei de barco pelo Thames

17. Visitei Notting Hill e Brick Lane

18. Li debaixo de uma árvore no Kensington Gardens.

19. Fui babá. (Sério. De duas crianças. Quem diria não é?!)

20. Senti saudade, chorei de soluçar e achei que não ia aguentar ficas quase 5 meses longe de todo mundo

21. Vi pessoalmente obras de arte que eu via nos livros da escola na infância

22. Visitei os museus mais espetaculares e gigantescos

23. Trabalhei em um restaurante turco (e não voltei no dia seguinte… Don’t ask!)

24. Entrei nas livrarias mais maravilhosas do universo. Foyles ❤ Waterstones ❤

25. Ouvi os estudantes de música da Universidade de Greenwich ensaiando.

26. Caminhei pela beira do Thames à noite. (Great atmosfere, give it a try!)

27. Me apaixonei pela vista do Observatório de Greenwich

28. Pisei na Linha de Greenwich.

29. Descobri que a expressão mais dita pelos ingleses provavelmente é “Thank you”.

30. Vi mais bandeira do Brasil lá durante a Copa do que vejo no Brasil.

31. Vi a diferença que faz viver num país onde o Governo realmente se preocupa com o povo.

32. Vi a diferença que faz viver entre um povo que respeita seu país, se respeita entre si e ajuda na preservação do meio ambiente.

33. Descobri que os ingleses são MUITO consumistas.

34. Vi a maior quantidade de pessoas ruivas de toda a minha vida.

35. Visitei a loucura de Camden Town

36. Vi as pessoas mais estranhas possíveis

37. Descobri que amo viajar

38. Descobri que não gosto da sensação de sentirem minha falta

39. Me determinei a fazer uma viagem pra um lugar diferente todo ano da minha vida.

40. Quis morar pra sempre em Londres

41. Quis dar uma de louca e sair viajando por aí sem contar nada pra ninguém (eu não vou fazer isso mãe, prometo)

42. Perdi o show do Coldplay no Royal Albert Hall. Imperdoável!

43. Tentei ver o nascer do Sol no dia do meu aniversário (o dia amanheceu mais nublado do que nunca, só perdi horas de sono)

44. Estive presente na inauguração da estátua da Amy Winehouse em Camden Town.

45. Fiz 22 anos!

Teria muito mais coisa pra colocar aqui. Minha lista original tem 57 coisas, mas algumas delas são coisas pessoais, então eu dei uma resumida.

Aliás, esse post era pra ter sido publicado na semana em que eu voltei, mas eu acabei esquecendo ele nos meus rascunhos. De qualquer forma, obrigada por ler e até a próxima! (:

p.s: coloquei uma galeria com algumas fotos da minha viagem na coluna à direita!

5 coisas: livros

Faz algum tempo que eu descobri meu vício em livros. Eu sempre amei ler. Desde pequena minha mãe me levava na biblioteca da faculdade em que ela estudava e na biblioteca pública aqui de Curitiba. E então eu comecei a realmente pegar o gosto pela leitura, a cada duas semanas eu lia uma nova história e conhecia personagens novas. Na minha escola a gente tinha também um dia na semana pra ir na biblioteca, emprestar um livro e um tempo pra ficar lá lendo. Tudo isso me levou a gostar de ler, apesar de eu ainda não me considerar uma devoradora de livros. Já li muito mais do que leio hoje, e durante a faculdade eu perdi um pouco do hábito de ler por prazer, estou retomando isso aos poucos. O caso é que durante a minha viagem, pra tristeza do meu bolso, eu encontrei duas livrarias maravilhosas que já mencionei em algum post por aí. A Foyles e a Waterstones. Foi aí que eu comecei a ficar viciada nessa coisa toda de novo e comprei uns 20 livros que quase ficaram pelo caminho por causa do peso da minha mala na volta ao Brasil. Mas enfim, o objetivo deste post é falar dos livros que mais me fizeram feliz nos últimos meses e aproveitar pra te incentivar a ler! (:

1. Pride and Prejudice – Jane Austen Pelo que eu me lembro, foi o primeiro que eu comprei. Eu já li Orgulho e Preconceito em português, mas ainda não tinha comprado o livro. Existem um trilhão de edições dos livros da Jane Austen e cada uma mais maravilhosa que a outra. A que eu comprei é uma versão de bolso de colecionador, com ilustrações. As folhas são bem fininhas, é um livro bem frágil. A capa é hardcover. Acredito que a maioria das pessoas já ouviu falar desse livro, mas se você não leu eu super recomendo! O filme também é muito bom! IMG_0537.JPG IMG_0535.JPG 2. Paper Towns A essa altura você já deve ter ouvido falar do John Green, o autor de “A culpa é das Estrelas”. Pois bem, ele escreveu vários livros além desse, um deles é “Paper Towns” ou “Cidades de Papel”. A primeira vez que eu comprei um livro do John Green, “A Culpa é das Estrelas”, eu não consegui ler. Achei a linguagem meio simples demais, sei lá, não gostei. Depois que a febre sobre esse livro começou foi que eu peguei o livro de volta pra ler, e lógico que no final só restaram lágrimas. Então resolvi ler outras obras do John Green, comecei com Paper Towns e foi uma ótima escolha! É aquele tipo de livro que você não consegue parar de ler e quando não está lendo você está pensando sobre a história. O final me surpreendeu bastante, assim como o desenrolar da história cheia de mistérios. Vale muito a pena ler também! A edição que comprei é em paperback, por isso ficou um pouco destruída ao fim da leitura, mas achei a capa bem mais bonita do que a da versão americana. IMG_0785.JPG 3. Rainbow Rowell Essa autora maravilhosa eu descobri antes de viajar. O primeiro livro que li foi Eleanor & Park, como a maioria das pessoas. Adorei a história! Um belo dia eu estava passeando por uma outra livraria muito boa, que eu não lembro o nome agora, e achei Fangirl. Já tinha ouvido muito falar desse livro nos blogs que eu acompanho e resolvi dar uma chance, apesar do título e a sinopse não terem me chamado muito a atenção. Mais uma surpresa! Foi um dos livros que mais gostei de ler esse ano, deu uma super dor no coração quando terminei a história. Por isso eu resolvi comprar os outros dois livros da Rainbow que eu ainda não tinha, “Landline” e “Attachments”. Gostei muito do primeiro, apesar de o final me deixar tipo “tá, mas e aí?”. Já “Attachments” eu comecei a ler, mas não me prendi muito e acabei desistindo da leitura. Mas juro que vou tentar de novo em breve! Enfim, fica a dica da autora 😉 IMG_0455.JPG 4. Alice’s Adventures in Wonderland and Through The Looking- Glass Um livro que acho que a maioria de nós já leu em algum momento da vida. Ou já viu pelo menos algum filme a respeito. Mas eu ainda não tinha comprado nenhum exemplar, e também existem um trilhão de versões! Escolhi essa porque achei muito bonita e de um material muito bom e o preço me surpreendeu bastante. Tem as ilustrações de John Tenniel, que são incríveis! As folhas são muito macias e ~aqui vai o momento awkward do post~ esse livro é o mais cheiroso que eu tenho. Sério. Leitores entenderão!

IMG_0461.JPG

IMG_0456.JPG

IMG_0457.JPG

5. The Miniaturist

Eu comprei esse livro porque ele me perseguia. Todas as livrarias que eu ia ele estava lá, eu entrava na internet pra buscar novos títulos e autores e lá estava ele. E um belo dia eu peguei ele e abri, e me deparei com um dos livros mais lindos (fisicamente) que eu já tive. Eu ainda não li ele, porque ele é bem longo e a linguagem é um pouco mais complexa do que os outros livros em inglês que eu tenho, então estou esperando um momento em que eu realmente possa me concentrar nele pra ler. É uma história de mistério que se passa em Amsterdã em 1686 com uma garota de 18 anos. A autora é Jessie Burton, que estudou em Oxford e mora em Londres. Depois que eu ler eu posso fazer uma resenha aqui!

IMG_0459.PNG

IMG_0460.JPG

Então é isso. Pretendo escrever mais sobre livros por aqui, postar resenhas e tudo o mais. Acho que é uma boa forma de indicar livros e incentivar as pessoas a lerem! Se você tiver algum livro pra me indicar fique à vontade!

Obrigada por ler e até a próxima! (:

Do you speak english?

Depois de voltar pro Brasil eu fiquei pensando em como eu poderia continuar aprimorando o inglês que eu aprendi. Na realidade, eu não comecei a aprender inglês durante a viagem, aprendi desde criança na escola, como a maioria das pessoas, e desde os 12 anos me aprofundei no assunto por conta própria. Nunca tinha feito nenhum curso de inglês até chegar em Londres, e me surpreendi com a forma como as pessoas elogiaram meu inglês por lá assim que cheguei. Não que eu cheguei lá super sabendo de tudo, muito pelo contrário, quando cheguei eu vi que sabia bem menos do que imaginava, mas o pouco que eu sabia me ajudou muito a progredir rápido. A dificuldade maior foi, na verdade, o acento britânico, que apesar de encantador soa bem estranho pra nós que estamos tão acostumados com a cultura americana. Mas meu inglês melhorou muito, apesar de eu não estar fluente ainda, já consigo desenvolver um diálogo tranquilamente e aprendi muitas palavras novas do cotidiano que eu não conhecia. Mais uma vez, foi a melhor experiência da minha vida até hoje, por mais esse motivo.

Enfim. Muitas pessoas me perguntam como foi que eu aprendi inglês sozinha. E eu te digo que foi uma das coisas mais fáceis que eu aprendi, porque eu praticamente não me percebia tentando aprender, era uma coisa natural porque eu simplesmente gosto muito da sonoridade da língua inglesa, então aprender o idioma foi algo quase espontâneo, e também porque eu aprendi com as coisas que mais gosto na vida: a leitura e a música.

Fiz uma lista com algumas dicas que eu dou pra quem me pergunta. Aqui vai:

1. Não compare com a língua portuguesa

Essa é importante. Porque uma coisa não tem nada a ver com a outra. Até meu professor de inglês lá em Londres concluiu isso quando eu estava tentando ensinar algumas frases pra ele. Ele construía as frases em português com regras da língua inglesa e acabava falando coisas sem sentido, e o contrário também é assim. A nossa língua é bem mais complexa que o inglês, por isso temos que logo no início deixar de tentar entender as regras do inglês pelas nossas regras gramaticais.

2. Não leve tudo ao “pé da letra”

A língua inglesa, assim como em qualquer outro idioma, possui muitas expressões que só fazem sentido num contexto. Muitas palavras não se podem traduzir literalmente, então se você estiver lendo algo ou assistindo alguma coisa e esbarrar numa palavra desconhecida, tente primeiramente entender o que a frase significa. Assim vai ser mais fácil você entender o sentido daquela palavra. Dessa forma, além de aprender a palavra, você vai poder entender as aplicações dela, visto que, também, muitas palavras tem mais de um sentido. Por exemplo, a palavra ‘DO’ pode significar o verbo “fazer” (“I can do it.” “Eu posso fazer isso”) ou pode estar sendo usada como verbo auxiliar, tipo “Do you like reading?” “Yes, I do.” (“Você gosta de ler?” “sim, eu gosto”). Esse foi um exemplo bobo, mas só pra ilustrar. Tem muitas palavras que possuem mais de um significado ou mais de uma utilidade, mas esse é o tipo de coisa que você só aprende na prática.

3. Use a legenda em inglês e não em português

No começo é difícil, parece que você não entende nada, eu sei. Mas acredite, o melhor jeito pra aprender inglês assistindo filmes ou séries é sem legenda ou com a legenda em inglês. Porque dessa forma você começa a treinar seu ouvido e aprende a sonoridade das palavras. No começo o que você pode fazer é ir juntando as palavras que você conhece pra tentar entender o que as pessoas estão falando. Porque às vezes a gente não entende tudo o que é dito, mas se você reconhecer umas três palavras da frase talvez consiga entender o sentido dela.

Enfim, é um treino meio difícil, mas pra treinar o ouvido é uma das melhores coisas.

4. Leia artigos e livros em inglês

Experimente pegar um livro que você já leu, mas dessa vez leia ele em inglês. Experimente ler um artigo em inglês e tentar traduzir. Ler é a melhor forma de você aprender como as frases são construídas e como as palavras são escritas, lógico. Vejo muita gente que fala muito bem inglês, mas na hora de escrever é um desastre, porque claro, como em qualquer outro idioma, só se escreve bem quem lê. Comece com livros de linguagem simples. Não vai tentar ler Jane Austen logo de primeira, porque nem eu entendo tão bem assim quando leio os livros dela em inglês. Pegue um John Green, Rainbow Rowel, enfim, livros com uma linguagem mais moderna, com a qual estamos mais acostumados.

5. Audio Books

Algo que comecei a usar recentemente. Tem muitos audio books no youtube e uma infinidade por aí pra comprar. O ideal é você ler acompanhando o áudio, assim você aprende a sonoridade das palavras ao mesmo tempo em que aprende sua grafia. É o que mais tenho feito pra continuar meus estudos em casa.

6. Ouvir música

Desde que me entendo por gente eu ouço mais música internacional do que nacional. É uma questão de gosto, mas foi o que me iniciou nos meus estudos da língua inglesa. O ideal é você ouvir a música e tentar traduzir. É outra ótima forma de aprender a sonoridade das palavras e os significados variados delas. Sem falar que é uma das formas mais prazerosas de se aprender.

7. Intercâmbio

Eu só tive essa oportunidade agora, mas aconselho que você faça assim que possível. Por mais que você não faça um curso, por experiência própria, você aprende mais nas ruas, ouvindo e tentando se virar pra se comunicar do que dentro da sala de aula. É com certeza a melhor forma de se aprender. Mas não se iluda achando que você vai ficar três meses em outro país e vai voltar fluente. Isso pode até acontecer se você já tiver estudado inglês antes ou se você é um gênio que aprende tudo com mais facilidade do que o resto de nós, pobres mortais. De qualquer forma, seja o tempo que você pode ficar, sempre é válido, mas tudo vai depender do seu esforço e persistência.

Tem gente que aprende mais rápido e os que demoram anos e anos, o importante é ter paciência. Temos que aprender a respeitar o nosso próprio rítimo de aprendizado. E depois que você for pegando o jeito o negócio é não parar de se informar e correr atrás de meios pra se aprimorar!

Não sei se esse post trouxe muitas novidades pra você, mas achei interessante compartilhar a maneira como eu tenho aprendido inglês e quem sabe te encorajar a achar a maneira mais tranquila e que mais tem a ver com você e seu estilo de vida!

IMG_0112.JPG

Cambridge

No domingo passado tive a oportunidade de visitar Cambridge. Sim, onde fica a Universidade de Cambridge. Sim, aquela onde Newton e Darwin estudaram. Sim, aquela Universidade linda e maravilhosa que existe desde o século 13!

20140730-212646-77206676.jpg

20140730-212649-77209230.jpg

Depois de dar uma volta pelas ruas principais de cidade e tomar um tradicional English Breakfast, o primeiro lugar que visitei foi o King’s College, que foi fundado em 1441 por Henry VI.

20140730-213249-77569250.jpg

20140730-213251-77571086.jpg
Dentro do King’s College existe a Capela que Henry VI mandou construir. A Capela é de estilo gótico e demorou por volta de cem anos pra ser totalmente finalizada, o processo se deu em três períodos de construção. É linda e tem um órgão majestoso!

20140730-214031-78031149.jpg

20140730-214033-78033253.jpg

20140730-214029-78029234.jpg

O Trinity College, onde Isaac Newton estudou, foi fundado em 1546 pelo Rei Henry VIII. Nele, além de Newton, se formaram Lord Byron, Bertrand Russell e Vladimir Nabokov. 29 prêmios Nobels foram ganhos por homens do Trinity, como por exemplo, Niels Bohr, lembra dele na sua aula de química? Esse mesmo, o cara que descobriu a estrutura atômica, teoria do quantum e blablabla.

20140730-215722-79042851.jpgDepois de dar uma olhada nos Colleges, (não deu tempo de ir em todos porque eles são muitos e tem que pagar pra entrar), fomos ao Fitzwilliam Museum. O museu foi fundado em 1816 e contém desde antiguidades da sociedade grega, egípcia e romana, até obras do renascentismo e modernas. Tem muita variedade e uma arquitetura fantástica.

20140730-221210-79930841.jpg

20140730-221214-79934064.jpg

20140730-221212-79932412.jpg

20140730-221257-79977649.jpg

20140730-221259-79979372.jpgDepois do museu fomos andar de barco. Dizem que é a melhor forma de conhecer a cidade e a Universidade, e é verdade! Eles chamam de “punting” e a todo momento enquanto você estiver andando pela cidade vai ter algum estudante atrás de você oferecendo o passeio. Você pode alugar um barco com guia, que será dividido com outras pessoas, ou alugar um só pra você e sua família ou amigos. É um passeio incrível! Pra mim foi a melhor parte.  Acho que as fotos falam mais do que palavras aqui também!

 

20140731-091511-33311384.jpg

20140731-091513-33313125.jpg

20140731-091509-33309538.jpg

20140731-091506-33306172.jpg

20140731-091507-33307887.jpg
Terminei o dia apaixonada por Cambridge. É uma cidade pequena, tranquila onde se vê bem mais bicicletas do que carros. As ruas são estreitas e as construções são super antigas e muito lindas! Se você um dia tiver a oportunidade de visitar, não pense duas vezes!

20140731-115141-42701404.jpg

20140731-115137-42697634.jpg

20140731-115139-42699265.jpg

20140731-115135-42695946.jpg

20140731-115616-42976494.jpg

20140731-115618-42978451.jpg

3 months of happiness

Só Deus sabe o quanto eu gostaria de ter postado mais, escrito mais e lhes mantido informados sobre minha viagem como eu pretendia e havia prometido. Turns out que a vida nem sempre é como a gente quer. Exceto por agora. Apesar de não conseguir fazer muitas das pontuações necessárias nesse computador e do fato de que vou ter que ajeitar isso depois, a vida está sim bem do jeitinho que eu sonhei. Tá melhor se quer saber! Ah, e tirando a insônia também, já que são 4 da manhã.

Nos últimos três meses eu só sei suspirar e perguntar pra Deus como pode ter tanta coisa bonita e legal num lugar só e por quê eu não posso teletransportar todas as pessoas importantes pra mim e apenas ficar aqui por mais uns 50 anos ou 60 anos.

Cada cantinho de Londres tem algo novo e interessante, quando você acha que já viu quase tudo você percebe que tem MUITO mais. Tem música por todo lado, arte, bookshops e lojas e lojas e mais lojas maravilhosas. Não tem como não se apaixonar. Às vezes já me dá nó na garganta de imaginar não ter tudo isso tão pertinho diariamente.

Mas chega de blablabla.

Vou mostrar alguns lugares interessantes que conheci por aqui e atrações turísticas que todo mundo precisa conhecer quando vem pra  Londres.

1. London Eye

É obrigatório você ir na London Eye, sim. Porque de lá você tem a visão mais magnífica possível da cidade! É um dos mais altos observatórios que existe. Normalmente o horário de funcionamento é até 22hrs então a última entrada permitida é às 21:30, mas no verão, como escurece perto das 22 hrs e Londres é de tirar o fôlego de noite, fica aberto até meia noite. O passeio dura 30 minutos e a capsula na qual você entra é gigante, mas mesmo assim tem horários em que elas ficam lotadas. Inclusive é bem difícil ir num horário em que não tenha um fila enorme lá te esperando, eu graças a Deus, tive a sorte de não enfrentar praticamente fila nenhuma. Fui na úlima admissão, às 21:30, com a intenção de ver o pôr-do-sol. Fui acompanhada de duas amigas do meu primo que estavam passando uma semana aqui, foi bem divertido! O mais legal foi que eu tirei fotos igualzinhas às que eu via antes de vir pra cá e que me faziam suspirar e sonhar alto. E estava ali, tudo na minha frente. Foi um sonho realizado!

2. Royal Observatory – Greenwich Park – Greenwich Pier – University of Greenwich

Foi o primeiro lugar que eu conheci quando cheguei e é onde passo a maior parte do tempo, principalmente agora que estou morando em Greenwich. O Greenwich Park é meu lugar favorito na Terra, pois é. Nem eu sabia que amava tanto parques até chegar aqui! No Greenwich Park é onde tem o marco zero de Greenwich, sabe?! Aquela coisa toda que você aprendeu na sua aula de Geografia enquanto grudava chiclete embaixo da mesa da escola. A foto acima foi tirada do observatório, e aí você pode ver a “Queen’s House”, a University of Greenwich (outro lugar maravilhoso) e uma parte do Maritime Museum. A Queen’s House foi construída em 1619 e já foi lar doce lar de Anne of Denmark.

Outra cena que você pode encontrar no Greenwich Park:

Rose Garden

– Greenwich Pier: tem uma vista fantástica da cidade, dá até pra ver as luzes da London Eye de noite! Tem um clima muito bom, com vários restaurantes e vários lugares pra você sentar e simplesmente admirar, assim como eu fiz nesse dia assistindo o pôr-do-sol!

3. Portobello Road Market – Notting Hill e Brick Lane Market

Um fica longe do outro, só resolvi falar sobre os dois simultaneamente porque são o mesmo tipo de mercado. Nos dois você encontra várias coisas em comum: lojas de roupa e artigos vintage, lojas de discos, lojas de souvenir, lojas de antiguidades e comida. O Brick Lane Market é bem maior que Portobello Road e eu achei mais interessante, porque tem arte nas ruas, tem comidas de todos os lugares do mundo, as lojas são mais divertidas.

Notting Hill é Notting Hill, é um bairro lindo onde as casas tem as cores mais inusitadas, tipo de azul bebê pro tom de roxo mais intenso que você possa imaginar. É um bairro famoso por causa do filme ‘Um lugar chamado Notting Hill’ e por ser lar de vários estilistas, enfim, com certeza vale a pena conhecer! No dia que eu fui tinha bem menos gente do que o normal e já estava quase na hora de fechar. Eu saia às 14hrs da aula e as lojas aqui fecham lá pelas 17:30 já, então era meio difícil aproveitar tão bem como eu gostaria.

Portobello Road Market

Brick Lane Market

20140728-054910-20950377.jpg

20140728-054912-20952431.jpg

20140728-054908-20948692.jpg

20140728-054907-20947126.jpg

4. Little Venice

Existe um lugar maravilhoso chamado Little Venice em Paddington. É onde o Grand Union e o Regent’s Canal se encontram. Lá você pode fazer pesseios de barco, tomar um café ou só caminhar e admirar e quem sabe sentar e ler um livro. Só não falo mais porque imagens falam mais do que palavras, neste caso:

20140728-061234-22354297.jpg

20140728-061241-22361177.jpg

20140728-061239-22359277.jpg

20140728-061235-22355902.jpg

20140728-061237-22357654.jpg

5. Festivais de música e afins

Bom, eu não sei quem persegue quem mas sempre acabo encontrando música por aqui, simplesmente acontece. Às vezes to andando no parque e de repente vem algum tipo de grupo passando e tocando alguma coisa. Nas estações aqui é muito comum encontrar músicos, só que não é igual a gente tá acostumado no Brasil, o velhinho cego tocando uma gaita e coisa do tipo, são músicos bons MESMO, do tipo que eu pagaria pra ir ver.

Durante o ano existem vários festivais de música aqui, o Glastonburry e o British Summer Time são os maiores, mas existem outros mais focados em algum gênero como Jazz. Já vi muitos catazes divulgando festivais de jazz regionais e também de concertos. Atualmente está tendo a temporada de concertos da BBC Proms no Royal Albert Hall, eu to doida pra ir assim que ~rolar grana~ der.

E eu, fui afortunada de estar por aqui justo na época do British Summer Time no Hyde Park. E aconteceu que, QUEM ESTVA LÁ? Isso mesmo, Lucy Rose ~aquela linda~ e nada mais nada menos do que Neil Young. Sério que foi a coisa mais maravilhosa ver Neil Young ao vivo. Quer dizer, não dá pra descrever. Ele tocou todas as minhas preferidas, inclusive Keep on rockin’ in the Free World, tocou Bob Dylan ‘Blowin in the Wind’ ~MEU DEUS~ Mas esqueceu da minha mais amada música ‘Old Man’, isso foi triste. E a Lucy, é a pessoa mais fofa e feliz, a voz dela é linda ao vivo e ela tocou as minhas músicas preferidas também. Foi emocionante assistir o show dela porque ouço as músicas há tanto tempo e elas foram temas de tantas fases importantes da minha vida, sem contar que eu achei que nunca na vida eu teria a possibilidade de ir num show dela, visto que ela não é muito conhecida no Brasil. Mas lá estava eu.

20140728-063651-23811651.jpg

20140728-063653-23813073.jpg

Então por enquanto é isso. Resolvi colocar algumas coisas não tão conhecidas de Londres, exceto pela London Eye, porque essas coisas a maioria das pessoas sempre ouve falar quando o assunto é Londres, tipo Buckinham Palace, o Parlamento, Big Ben, etc. Talvez eu ainda faça um post sobre essas coisas mais tradicionais, mas acho mais legal falar de coisas aleatórias da cidade que eu encontrei andando por aí. Logo posto mais algumas!

Agora que terminei meu curso vou começar a fazer algumas viagens por aqui, se Deus quiser, então eu provavelmente vou fazer posts sobre essas outras viagens agora também. Fui pra Cambridge ontem e já estou doida pra escrever a respeito! Ainda estão na minha lista: Oxford, Liverpool, Brighton, Paris e Lisboa.

É isso! Obrigada por ler e até a próxima! (:

20140728-064922-24562390.jpg

9 meses depois…

Sim, eu abandonei o blog. Perdão, blog.

Mas eu quero voltar agora. Mas não vamos fazer promessas de amor eterno, ok?!

Ontem, ao conversar com uma pessoa sobre o blog, fiquei com vontade de voltar a escrever aqui. Esse post é só pra dar uma atualizada nas coisas por aqui e informá-los, caros leitores, sobre algumas coisas que andam acontecendo.

Pra começar, eu já sou tia. O Samuel nasceu em 28 de setembro e tem sido uma das minhas maiores alegrias diárias! Agora ele tem 6 meses e nos surpreende com as coisinhas que ele aprende a fazer! Aí vai uma foto do primeiro amor da minha vida (:

1780777_10202786213952655_641816492_n

Outra notícia bombástica! Eu me formei senhoras e senhores! Não me perguntem como, porque foi praticamente um milagre, eu realmente quase desisti no último semestre, mas os planos de Deus são perfeitos, então em 3 de fevereiro eu me tornei Licenciada em Música pela PUCPR! Mais um sonho realizado pra minha listinha. Deus é bom!

Alguns colegas da turma e o melhor professor do mundo!

Alguns colegas da turma e o melhor professor do mundo!

Além disso estou vivendo uma fase muito boa! Deus tem transformado cada pequeno detalhe da minha vida e tem colocado pessoas incríveis do meu lado.

E outra notícia muito maravilhosa é que daqui 22 dias estarei indo pra Londres! Sim, mais um sonho vai entrar naquela listinha há pouco citada. Criei um outro blog, http://heavenknowsme.wordpress.com/, no qual quero escrever apenas sobre isso, pra compartilhar sobre a viagem com meus amigos e também pra deixar umas dicas pra quem pretende fazer uma viagem como essa.

22 dias (:

22 dias (:

Basicamente é isso o que “precisam” saber. To viva, to saudável (apesar da rinite) e estou sim, muito feliz! Agora estou com mais tempo, então pretendo atualizar mais o blog, mas não sei também com qual frequência. Quero escrever em breve sobre alguns livros que estou lendo e mais algumas dicas de bandas legais pra ouvir.

Então, é isso (: